Artigos, COP 2116 junho

Laudato Si: a encíclica papal sobre clima, meio ambiente e pobreza será lançada esta semana

Sérgio Abranches

A encíclica do papa Francisco sobre mudança climática, meio ambiente e pobreza, a primeira de sua integral responsabilidade — a anterior ele herdou quase pronta de Bento 16 — foi vazada ontem, em italiano, pelo jornalista Sandro Magister, um especialista em Vaticano da revista italiana Espresso. É um documento forte, polêmico e contundente. Terá grande impacto e repercussão, tanto no campo religioso, quanto no campo político. Seu título é Laudato Si, Louvado Sejas, sobre o cuidado com a casa comum. Começa dizendo que Francisco de Assis cantava “Louvado sejas, meu Senhor, por nossa irmã a mãe Terra, que nos sustenta e governa e produz frutos diversos e coloridas flores e ervas.” É uma citação do Cântico das Criaturas. Leia Mais »

Comentário02 junho

Desmatamento na Amazônia aumenta pelos dados do INPE/DETER

Sérgio Abranches

Aumentou o desmatamento da Amazônia. E não foi pouco. A tendência de alta de 2014 repete-se em 2015. Nos últimos dois meses do primeiro quadrimestre deste ano, houve aceleração desta tendência. Em 12 meses, o desmatamento aumentou 77%. Leia Mais »

Comentário16 abril

Novo paradigma na energia aumenta otimismo sobre economia de baixo carbono e acordo em Paris na COP21

Sérgio Abranches

Petróleo e gás natural baratos, preços de energia renovável em queda acentuada, abundância de energia. Parecem coisas contraditórias. Energia fóssil barata imaginava-se que interromperia o crescimento das fontes limpas. Os cenários de energia indicavam risco crescente de escassez. Nada disso aconteceu. O que estamos vivendo globalmente é um momento inesperado de abundância de energia a preços cadentes, com aumento do uso mais eficiente da energia e a transição para uma matriz energética de baixo carbono. No Brasil é diferente porque nossa política energética vai na contramão das tendências globais. Leia Mais »

Comentário05 março

Aumenta o fluxo de inovações em energias renováveis

Sérgio Abranches

Quatro exemplos recentes mostram o dinamismo do setor de energias renováveis e um fluxo cada vez maior e mais acelerado de inovações. O “pipeline” de pesquisa e desenvolvimento está com muito movimento e o circuito entre pesquisa, desenvolvimento tecnológico e entrada no mercado está se encurtando. Há grande número de novas tecnologias em preparação para serem introduzidas nesse mercado em rápida expansão. Aumentam as alternativas, caem os custos da energia e crescem as possibilidades de transição sem sacrifícios para a economia de baixo carbono. Leia Mais »

Comentário03 março

Desmatamento na Amazônia aumenta pelos dados do INPE

Sérgio Abranches

Aumentou o desmatamento da Amazônia. E não foi pouco. Ficou mais difícil avaliar, porque o governo reduziu muito a transparência dos dados do DETER, o sistema de alerta em tempo real. Uma ingerência política que, infelizmente, o INPE, o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial, aceitou. Mudaram a forma e o período de divulgação dos dados. Dá mais trabalho garimpar os números e determinar a tendência do desmatamento. Para jornalistas que não cobrem sistematicamente a área e cidadãos interessados, ficou muito menos transparente. Mas já se sabia que o desmatamento está crescendo porque o Imazon, centro de pesquisas independente que fica em Belém, no Pará, continua a medir mensalmente o desmatamento também usando imagens de satélite. Leia Mais »

COP 2111 fevereiro

O cronômetro para a COP 21 de Paris começou a contar

Sérgio Abranches

O que aconteceu até agora nas negociações para a COP 21 em Paris, que estão no seu quarto dia em Genebra? O texto do rascunho do acordo inchou. Chegou à Suíça com 38 páginas e ganhou 62 novas páginas. Que alquimia produziu esse inchaço? O democrático processo de abrir o rascunho para contribuições dos 192 países envolvidos na negociação. Foi pouco inchaço para tantos países. Se todos tivessem conseguido inserir sua própria visão e seus próprios interesses, o texto teria batido fácil nas 200 páginas. Agora, terão que negociar o enxugamento do texto. Os países não entraram ainda em negociações para valer. Foram conversas relativamente calmas. Isso porque as questões cruciais para o sucesso de um acordo não foram postas em discussão ainda. Leia Mais »