Comentário09 dezembro

Cidades-ícone globais têm planos ousados de sustentabilidade

Sérgio Abranches

Duas grandes cidades globais e que são ícones de beleza histórica e charme, como Paris, ou de beleza contemporânea e cosmopolitismo, como Nova York têm planos para liderar numa revolução urbana em busca da sustentabilidade. O prefeito Bill de Biasio está pondo no lugar as últimas peças que permitem implementar o ousado plano Nova York 50. O prefeito anterior, Bloomberg, implementou o plano Nova York 30. Há muito, a mais importante cidade dos Estados Unidos, olha para a frente, para o futuro. Em Paris, a prefeita Anne Hidalgo, tem planos para banir o diesel dos veículos de todos os tipos, até 2020 e reestruturar vários bairros, principalmente no centro da cidade, para torná-los bairros de pedestres, sem carros. Leia Mais »

Artigos20 novembro

Emissões de carbono em alta são impressão digital dos erros do governo Dilma

Sérgio Abranches

As emissões brasileiras de gases estufa aumentaram, mesmo com desempenho pífio da economia em 2013. É o que mostram os resultados do Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa, que acabam de ser divulgados pelo  Observatório do Clima, uma coalizão de ONGs voltadas para a pesquisa, financiadas por um grupo de fundações filantrópicas. É o segundo ano consecutivo desse estudo, mostrando aumento geral das emissões. Agora é possível ver a trajetória das emissões brasileiras desde 1970 (desde de 1990, incluindo emissões do desmatamento).  Esse aumento reflete uma reversão da tendência registrada desde 2005. As emissões vinham caindo ano a ano porque as taxas anuais de desmatamento estavam caindo e o desmatamento era a principal fonte de emissões. Esse quadro mudou completamente. Leia Mais »

Análise17 novembro

Parasitismo e hegemonia propagandística nas eleições brasileiras

Sérgio Abranches

As ideias em torno de reforma política referem-se sempre só ao processo eleitoral proporcional e supostamente tentam corrigir dois problemas que afligem a grande maioria: primeiro, a baixa representatividade e qualidade da representação parlamentar; segundo, a fragmentação partidária, com seu correlato que é o grande número de partidos com representação na Câmara. Interessante é que não examinam o que se passa com as eleições para os executivos, particularmente para governos estaduais e a Presidência da República e que guarda estreita relação com os problemas anteriores. Leia Mais »

Comentário13 novembro

Governo usa factóide para reduzir transparência sobre desmatamento da Amazônia em tempo real com acordo inútil entre Ibama e INPE

Sérgio Abranches

Ibama e INPE firmaram no dia 7 de novembro de 2014 um acordo de cooperação que “aumentará a efetividade das ações de combate ao desmatamento na Amazônia legal, facilitando a integração entre os órgãos”. Parece uma boa notícia, mas é puro factóide. Seria notícia relevante, se esse acordo fosse dos anos 1990 ou início dos anos 2000. Hoje, dez anos após a publicação do PPCDAM, o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia e nove anos após o DETER, o Sistema de Detecção de Desmatamento do INPE, começar a gerar dados mensais de desmatamento, é uma manobra para confundir a opinião pública e esconder graves retrocessos na política de combate ao desmatamento na Amazônia. Leia Mais »

Comentário28 outubro

Rodada de Bonn chega ao fim sem esperanças de bom acordo para o clima

Sérgio Abranches

Terminou no fim de semana do segundo turno das eleições brasileiras a rodada de Bonn de negociações preparatórias para a Convenção do Clima, a COP 20. As discussões avançaram pouco na preparação dos documentos que servirão de base para o Acordo de Paris, na COP21. A ideia é que os países cheguem a um rascunho avançado, com poucos pontos em aberto a serem negociados no ano que vem, para assegurar o fechamento de um acordo efetivo em Paris. Leia Mais »

Comentário16 outubro

Combate ao desmate na Amazônia está mais difícil e governo não mostra os dados

O governo está atrasando a divulgação dos dados de desmatamento do DETER. Até a última divulgação, em 6 de agosto, o desmatamento, que subiu 29% no ano passado pelos dados finais do INPE, continuava a crescer este ano. Os números referentes a agosto e setembro somente serão divulgados em novembro. A única boa notícia disso tudo é que o INPE está aumentando a resolução das imagens de satélite do DETER, o que permitirá identificação de focos de desmatamento que hoje o sistema não detecta. Estudos recentes mostram que precisamos uma nova estratégia para conter o desmatamento da Amazônia e que precisamos mais do que nunca de boa informação de alerta, para que as ações de comando e controle sejam mais efetivas. Leia Mais »